De Olho Na Novela

Record censura imagens católicas em reportagem sobre fé na pandemia

Record
Jornal da Record desfoca imagem da Igreja Católica em matéria que defendeu abertura de templos em plena pandemia (Imagem: Reprodução / Record)

Em meio a um embate no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o fechamento de igrejas na pandemia, o Jornal da Record da última segunda-feira (05) dedicou duas longas reportagens para falar sobre os benefícios emocionais da prática da fé em momentos de crise na sociedade.

Na primeira reportagem, a jornalista Ingrid Gribel, em frente ao Templo de Salomão, sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus, classificou a volta de cultos presencias como sendo tão seguros quanto uma ida à farmácia, embora tenha usado a opinião de um psiquiatra e membro da IURD para embasar a informação.

Quando você vai numa farmácia, você busca um remédio para o seu corpo. Quando você vai à Igreja, você busca um remédio para sua alma“, comparou Davi Vidigal. O jornalístico da Record apontou a abertura de cultos religiosos como estímulo para ações sociais promovidas por evangélicos, e usou o exemplo da Igreja Universal.

Já na segunda reportagem, a correspondente internacional Ana Paula Gomes mostrou abertura de igrejas em toda a Europa durante o domingo de Páscoa. Templos católicos de vários países, como Portugal, Alemanha, Itália, Estados Unidos e Nova Zelândia foram usadas na matéria, mas com um detalhe peculiar: sem nenhuma referência às imagens do catolicismo.

O frame de um padre no altar, gravado em uma igreja da Bélgica, apareceu desfocado em um trecho da reportagem, assim como o crucifixo de outras duas igrejas em Portugal.

Pano pra manga

A morte de mais um personagem negro em Amor de Mãe fez a autora Manuela Dias receber críticas de uma colega de profissão e de emissora. Renata Martins, cineasta e colaboradora de Malhação – Viva a Diferença (2017), fez um apelo no Instagram usando a fonte do logotipo da novela. “Parem de nos matar na vida e na dramaturgia“, pediu a escritora, logo após a exibição do assassinato de Lucas (Nando Brandão).

A crítica foi compartilhada na rede social pela atriz Jéssica Ellen, que interpreta a Camila na trama das nove, e repercutiu entre outras ativistas do movimento negro. “Exausta. Confesso que estava empolgada em ver a novela por ter sido escrita por uma mulher. Ledo engano, o pacto da branquitude falou mais alto“, endossou a figurinista Nina Maria.

Cercados

Em conversa com apoiadores na última segunda-feira (05), Jair Bolsonaro voltou a alfinetar o jornalismo da Globo e contou que “a emissora não entra” na casa dele. “Graças a Deus que a gente tem YouTube, né?“, comemorou uma eleitora.

Oi, Oi, Oi

Sem produções inéditas no 2020 aplacado pela pandemia de Covid-19, a Globo decidiu oferecer ao mercado internacional edições especiais de Avenida Brasil (2012) e Verdades Secretas (2015).

A novela de João Emanuel Carneiro foi transformada em série, com três temporadas – as duas primeiras com 13 episódios; a última somando 14. Já Verdades Secretas, também como série, passou a contar com apenas 12 capítulos.

Os “novos” produtos serão oferecidos a partir da semana que vem, quando tem início a feira MIPTV.

José Inocêncio vive

A título de curiosidade: a novela mais antiga no catálogo disponibilizado pela Globo em seu site de negócios para o mercado externo é Renascer (1993). O folhetim de Benedito Ruy Barbosa, cabe lembrar, acumulou a maior audiência do horário das oito na década em questão.

Ele fica

A Globo nega a dispensa de Dennis Carvalho, anunciada nesta terça-feira (6) pelo jornalista Flávio Ricco, do portal R7. Dennis, além de estar com contrato vigente, é nome certo na direção artística de Feira das Vaidades, novela de Denise Bandeira e Gilberto Braga que deve ocupar a faixa das seis entre o segundo semestre de 2022 e o primeiro de 2023 – depois de Além da Ilusão, assinada por Alessandra Poggi, e antes de Amor com Amor se Paga, remake da obra de Ivani Ribeiro a cargo de Alcides Nogueira.

Gato escaldado…

… tem medo de água fria. À frente do BBB desde 2017, tendo passado há tempos pelas fases da insegurança e da experimentação, Tiago Leifert demonstra cada vez mais afinidade com o reality. E, por consequência, confiança no que vem fazendo. O apresentador, contudo, ainda teme o tribunal da internet. Deixou isso claro quando ontem pediu desculpas repetidamente por eventuais equívocos após discursar contra o racismo. Bobagem… Tiago nunca se mostrou tão apropriado para o BBB quanto nesta edição. Tanto nas dinâmicas relativas ao jogo, quanto nas interações com os participantes e, em meio a este tratado sociológico, nos comentários e elucidações acerca de temas suscitados pela (difícil) convivência dos brothers.

Falando nisso

Foi-se o tempo de medirmos celebridades pela régua da ignorância. A criação ou o meio não podem mais servir de justificava para a disseminação de falas como as de Rodolffo em sua passagem pelo BBB 2021 – racistas e homofóbicas. A fama hoje vem acompanhada de assessores de imprensa, consultores de imagem, estudos sobre posicionamento de marca… Quem conta com este tipo de suporte certamente sabe que julgar o outro pela roupa ou pelo cabelo é, no mínimo, desagradável. A atual edição do reality serviu para mostrar que, antes do preparo para a mídia, está o caráter e os (pré) conceitos. E que, lamentavelmente, estes nem sempre mudam conforme chegam os briefings.

Duh Secco e Daniel RibeiroDuh Secco e Daniel Ribeiro

A coluna Curto-Circuito é assinada por Duh Secco e Daniel Ribeiro, editor-assistente e repórter especial do RD1, respectivamente, e reúne, de terça a sábado, logo cedinho, o que é e vai virar notícia nas próximas horas envolvendo os movimentados bastidores da TV.

O post Record censura imagens católicas em reportagem sobre fé na pandemia apareceu primeiro em RD1.

Comments
To Top