Polícia de São Paulo matou um suspeito de roubo por dia em 2018

Em 2018, polícia de São Paulo matou um suspeito de roubo por dia

Em 2018, polícia de São Paulo matou um suspeito de roubo por dia
Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo / 02.03.2019

As polícias Civil e Militar de São Paulo mataram mais de uma pessoa suspeita de roubo por dia no Estado de São Paulo, em 2018, de acordo com levantamento do Instituto Sou da Paz.

Em 2018, 863 pessoas foram mortas no Estado de São Paulo, o que apresenta redução de 10% se comparado ao ano de 2017. Destas, 785 casos foram analisados pelo instituto a fim de verificar a letalidade policial nas ocorrências.

Leia mais: Batalhão de Santo André é o que mais mata em SP, diz Ouvidoria

Na capital, 214 foram mortos durante abordagens por roubo e 7.586 foram presos em flagrante. No Estado, 409 foram mortos durante as abordagens e 16.065 foram presos em flagrante — o que representa a média de 1,12 mortes por dia.

De acordo com o instituto, apenas seis das 785 vítimas eram mulheres, ou seja, 99% eram homens. Os jovens, de 15 a 29 anos, representam 59% das vítimas no Estado e 65% na capital paulista.

Ainda com base na análise de boletins de ocorrência de mortes decorrentes de intervenção policial, conhecida como MDIP, em 2018, a organização apurou que em cidades como Piracicaba (38% das mortes violentas cometidas por policiais) e Guarujá (51%), a participação da letalidade policial foi muito superior à verificada no Estado como um todo (20%). 

Na capital paulista, também existem regiões em que essa proporção foi extremamente elevada, chegando a 56% no 95° DP (Heliópolis) e a 57% no 22° DP (São Miguel Paulista), contra 33% no município.

Veja também: Contra violência policial, PM de São Paulo irá usar câmera no uniforme

Para o diretor executivo do instituto, Ivan Marques, a redução no número de mortes cometidas por policiais foi positiva, mas os dados sugerem que localidades demandam atenção da SSP (Secretaria de Segurança Pública), que cuida das polícias Civil e Militar. “É imperativo aprimorar e padronizar procedimentos voltados à prevenção e repressão de roubos no território”, diz.

Procurada pela reportagem do R7, a SSP ainda não se pronunciou.