Marco Luque e Flavia Vitorino (Foto: Reprodução)
Marco Luque e Flavia Vitorino (Foto: Reprodução)

Marco Luque tem tido uma rotina bastante agitada desde que passou a desempenhar diversas tarefas em suas carreira. O ator, no entanto, acabou encontrando tempo em sua agenda para dar uma entrevista ao jornal Extra onde falou dos mais variados assuntos, inclusive sua vida amorosa.

No início do ano, Marco Luque acabou colocando um ponto final em seu casamento de quase oito anos com Flávia Vitorino, eles tem duas filhas Isadora, de 7 anos, e de Mel, de 5 anos. “Separei há 5 meses, mas eu e a Flávia somos muito amigos e a gente se dá muito bem. Tento ajudar ela no que for possível”, disse ele.

+Maurício Destri revela que se machucou durante gravações de Orgulho e Paixão

“O pior dia da minha vida foi ter a conversa com as minhas filhas sobre a separação. Mas a gente fez tudo com muito carinho e muito respeito. Ficamos muito preocupado com elas e deu tudo certo. Hoje em dia, elas estão muito bem. O que acontece é que a gente sempre fica nesta expectativa de como vai ser, mas as crianças querem ser felizes. Como estamos bem elas estão também”, contou o ator.

Marco Luque falou ainda que não tem a mesma animação para sair e curtir as baladas. “Não tenho ido para balada e nem procurado namorada. No momento, estou muito focado no trabalho. Até porque o musical ‘Os produtores’ exige da gente muito foco, disciplina e cuidado com a voz. Então tô zero balada. To quietinho, na minha”, revelou o ator.

Marco Luque e as duas filhas (Foto: Reprodução/Instagram)
Marco Luque e as duas filhas (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele falou ainda sobre a Escolinha do Professor Raimundo, onde interpretará o personagem Patropi. “A gente acabou de gravar a ‘Escolinha’ e deve ir ao ar em setembro. Também estou no cinema com o filme ‘Talvez uma história de amor’, que tem Matheus Solano como protagonista. E eu faço amigo que é parceiro em uma agência de publicidade”, disse.

Quando o assunto foi política, Marco Luque foi bem direto. “Não me vejo de esquerda ou de direita. Acho que tinha que trocar todo mundo. A gente vê um quadro muito desesperador. E a gente tem uma chance boa de conseguir eleger, agora, quem realmente merece representar a gente. Sempre procuro pesquisar sobre os candidatos. Tenho muito medo que tenhamos um governo extremista”, disparou.